27 fev

São Paulo na Taça Libertadores

Curiosidades, Estatísticas

Por José Renato Sátiro Santiago Jr. e Luiz Fernando Bindi

  A história do São Paulo na Taça Libertadores começou após a conquista de dois vice-campeonatos brasileiros, de 1971 e 1973. Em 1972, o Tricolor Paulista eliminou na Primeira Fase o campeão brasileiro Atlético Mineiro e as equipes paraguaias do Olímpia e Cerro Porteño. Nas semifinais caiu diante do Independiente que conquistaria o título daquele ano.

Já em 1974, o São Paulo novamente eliminou o campeão brasileiro, agora o Palmeiras, na Primeira Fase, e teve sucesso nas Semifinais, frente o Millonarios da Colômbia e o Defensor do Uruguai. Nas Finais, no entanto, novo fracasso, frente ao mesmo adversário de 72, o Independiente. Após vencer a primeira partida da final, por 2 a 1, perdeu as duas partidas seguintes e ficou com o vice-campeonato.

As 3 participações seguintes do São Paulo foram em 1978, 1982 e 1987, e se resumiram a Primeira Fase, após campanhas muito fracas.

Já em 1992, sob o comando de Mestre Telê veio a maior conquista da equipe até aquele momento. Na Primeira Fase, ficou em segundo lugar, atrás do Criciúma, para quem havia perdido por 3 a 0 na estréia. A partir da Segunda Fase, o São Paulo incorporou de vez o “Espírito de Libertadores” e eliminou, na seqüência, Nacional do Uruguai, Criciúma e Barcelona de Guayaquil. Nas Finais, duas batalhas frente ao Newell’s Old Boys, com uma vitória de 1 a 0 para cada lado, e uma memorável decisão por pênaltis, cuja vitória de 3 a 2 garantiu o primeiro título sul-americano do Tricolor Paulista.

No ano seguinte, a caminhada começou com uma derrota por 2 a 0 diante do mesmo adversário da final de 1992, o Newell’s, nas Oitavas de Finais. A partir do jogo de volta, com uma vitória de 4 a 0, o São Paulo voltou aos trilhos e passou por cima de Flamengo e Cerro Porteño, chegando novamente as Finais. O primeiro jogo, nas finais frente ao Universidad Católica, acabou 5 a 1 para o São Paulo e é, até hoje, a maior goleada em uma final de Libertadores. No jogo de volta, derrota por 2 a 0, mas o bicampeonato garantido.

Em 1994, seria o ano do tricampeonato, após eliminar Palmeiras, Unión Española e Olímpia. Nas Finais, no entanto, levou a pior na decisão por pênaltis contra o Vélez Sarsfield, derrota por 5 a 3.

O São Paulo apenas voltou a disputar uma Taça Libertadores após dez anos, em 2004. Passou bem pela Primeira Fase frente ao Alianza, Cobreloa e LDU. Nas Oitavas de Finais, perdeu o primeiro jogo para o Rosário, por 1 a 0, e  levou a melhor por 2 a 1 no Morumbi. Na decisão por pênaltis o Tricolor estava perdendo, até a última cobrança do Rosário, que seria feita por seu goleiro. Foi a partir deste momento que Rogério Ceni assumiu de vez a posição de um dos maiores ídolos da história do São Paulo. Rogério defendeu o pênalti, em seguida bateu um com sucesso e, por fim, defendeu o pênalti seguinte batido pelo Rosário. Algo inacreditável que só foi abalado pela eliminação no último minuto frente ao Once Caldas nas Semifinais.

Em 2005, o “São Paulo foi São Paulo” do começo ao fim, uma campanha excelente desde a Primeira Fase, contra The Strongest, Universidad de Chile e Quilmes, nas Oitavas frente ao Palmeiras e nas Quartas contra o mexicano Tigres. Nas semifinais, foram duas vitórias frente ao River Plate, sendo a primeira da equipe na Argentina. Nas Finais, um empate, em Porto Alegre, frente o Atlético Paranaense, e uma goleada por 4 a 0 no Morumbi. São Paulo se tornava o único time brasileiro tricampeão sul-americano.

Em 2006, a campanha voltou a ser ótima, levando vantagem, na Primeira Fase, frente o Caracas, Cienciano e Chivas Guadalajara. Depois, superou nas Oitavas novamente o Palmeiras, nas Quartas o Estudiantes, e nas Semifinais o Chivas  . Ne decisão, no entanto, o Internacional  bateu o São Paulo em pleno Morumbi, por 2 a 1, e com um empate em 2 gols no Beira Rio, impediu o tetracampeonato do São Paulo.

Ano passado, o São Paulo não foi bem. Ficou apenas em segundo lugar em seu grupo na Primeira Fase, atrás do Necaxa,  e por isso cruzou o “copeiro”Grêmio, que levou a melhor após uma vitória por 2 a 0 em Porto Alegre.

12 edições disputadas

- 1972: 4° colocado (20 equipes participantes)

- 1974: vice-campeão (21 equipes participantes)

- 1978: 15° colocado (21 equipes participantes)

- 1982: 11° colocado (21 equipes participantes)

- 1987: 17° colocado (21 equipes participantes)

- 1992: campeão (21 equipes participantes)

- 1993: campeão (21 equipes participantes)

- 1994: vice-campeão (21 equipes participantes)

- 2004: 3° colocado (36 equipes participantes)

- 2005: campeão (38 equipes participantes)

- 2006: vice-campeão (38 equipes participantes)

- 2007: 11° colocado (38 equipes participantes)

181 pontos ganhos

119 jogos disputados

61 vitórias

30 empates

28 derrotas

194 gols pró

112 gols contra

63,29% aproveitamento de pontos

Estréia  em 30/1/1972: Atlético Mineiro 2×2 São Paulo

1ª Vitória em 1/3/1972:  São Paulo 3×1 Olímpia (2ª partida)

1ª Derrota em 23/3/1972: Cerro Porteño 3×2   São Paulo (5ª partida)

Maior Vitória em 8/5/1974: São Paulo 5×0 Jorge Wilstermann (16ª partida)

Maiores Derrota em 6/3/1992: Criciúma 3×0 São Paulo (42ª partida) e em 4/3/2004: LDU 3×0 São Paulo (74ª partida)

52 respostas a São Paulo na Taça Libertadores

  1. Fábio disse:

    alguém tem os jogos em dvd ou vhs gravados e que queira vender uma copia para mim do jogo entre São Paulo x Palmeiras na libertadores de 1994 acho que foi nas quartas de final o zero a zero e depois os 2×1 para o São Paulo queria os jogos completos alguém tem.
    email: ferreirafabio2005@ig.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>