26 jun

Equipes Brasileiras nas Finais da Libertadores: São Paulo

Copa Libertadores, Curiosidades

 de José Renato Sátiro Santiago Jr.

O São Paulo participou de 13 edições da Taça Libertadores da América.

É o recordista de finais (6) e de títulos (3) entre as equipes brasileiras.

A primeira conquista aconteceu em 1992, após derrotar o Newell’s Old Boys nas finais.

Diante do Universidad Católica do Chile, ano seguinte, foi bicampeão .

Conseguiu o  tricampeonato diante do Atlético Paranaense, na primeira final entre equipes do mesmo país, em 2005.

A primeira derrota em final aconteceu em 1974, frente o Independiente da Argentina

A segunda, em pleno Morumbi, frente outra equipe argentina, o Vélez Sarsfield, em 1994, na disputa por pênaltis.

O último fracasso em decisão ocorreu em 2006, em outra final brasileira, frente o Internacional.

Vamos relembrar a sua primeira final de Taça Libertadores, em 1974, logo na segunda participação.

Na Primeira Fase eliminou o Palmeiras, então campeão brasileiro, e as equipes bolivianas do Deportivo Municipal e Jorge Wilstermann.

Nas Semifinais superou os Milionários da Colômbia e o Defensor do Uruguai.

As Finais, contra o Indenpendiente, aconteceram em 3 Partidas.

A primeira, no Pacaembu, em 12 de outubro de 1974,  terminou com vitória do São Paulo, de virada, por 2 a 1, com gols de Pedro Rocha e Mirandinha. O gol argentino foi marcado por Saggioratto.

Na segunda partida, em 16 de outubro, quando o São Paulo jogava apenas por um empate, o Independiente venceu por 2 a 0, com gols de Bochini e Balbuena.

A partida decisiva aconteceu em Santiago do Chile.

Eis a ficha técnica:

Independiente 1 x 0 São Paulo

Data: 19 de outubro de 1974

Local: Estádio Nacional, Santiago

Juiz: César Orozco (Peru)

Gol: Pavoni aos 37′do Primeiro Tempo.

Independiente: Carlos Gay, Commisso, Sá, López, Pavoni, Galván, Raimondo, Semenewicz, Balbuena, depois Carrica, Bochini, Bertoni, depois Giribet. Técnico: Roberto Ferreiro

São Paulo: Valdir Peres, Forlán, Paranhos, Arlindo, Gilberto, depois Nelson, Chicão, Zé Carlos, depois Silva, Rocha, Mauro, Mirandinha, Piau. Técnico: José Poy.

17 respostas a Equipes Brasileiras nas Finais da Libertadores: São Paulo

  1. Reinaldo disse:

    Se bem me lembro o S.
    Paulo perdeu um pênalti no 3º jogo

    • Fabio Ribeiro disse:

      Verdade. Assisti esse jogo na Fazenda da família no Paraná (pelo rádio, narração de Fiori Gigliotti, inesquecível) . Eu com nove anos e meu tio fanático quase teve um treco quando o Zé Carlos perdeu aquele penalti. Nunca me esqueci… abraço…

  2. Edu disse:

    Pô Muricy ir embora é brincadeira hein?

    Birner dá uma força aí pra galera do tricolor parar de pegar no pé do Muricy!
    Nos 3 últimos anos foi eleito o melhor técnico do Brasil e tá ganhando título. Não é culpa dele o JJ ser mão de vaca, o cara tira leite de pedra e tem quem xingue ele?
    Xinguem a estrilha do Ricky e os caras que só querem dinheiro.

    É triste ver um cara que recusa oferas milhonárias não ser valorizado enquanto jogador imbecil, q recebe uma proposta e começa a fazer corpo mole, é aplaudido.

    Pra mim é o melhor técnico do Brasil. Muito melhor do que Luxemburgo que só joga com estrelinhas, faz o clube se endividar, não vende e não revela jogador.

    Se tiver como faça um post aí com os números do Muricy. Jogos x Vitórias, jogadores revelados etc..
    Vamos ver se a torcida entende que a culpa não é dele.

    Obrigado

  3. Mário disse:

    Maldito Serrão!

  4. juliano disse:

    o muricy deveria ter mais inteligencia em jogos de copa, se fosse igual a competencia que ele tem em campeonatos, seriamos tetra porque time a gente tinha ano passado pra ser campeao da libertadores.

  5. josé disse:

    um time que tem pedro rocha, deixar um serrão bater penalti, é de doer.

  6. Rafael Mussi disse:

    Nossa, mas tem gente que corneta até o passado. Meu Deus ! Mal sabem que o Zé Carlos Serrão era um dos melhores jogadores do time na época. Assim como o Palhinha, que perdeu penalti na decisão contra o Vélez e foi crucificado. Pura bobagem, o considero um dos melhores jogadores que vi jogar no São Paulo, jogava demais. Não era só de Raí e Telê que vivia aquela equipe.
    Poxa Zé Renato, de 6 finais pra escolher, você vai e põe a derrota.

  7. eduardo disse:

    Quem perdeu o penâlti foi o Zé Carlos Serrão.
    Tava 0xo.

  8. Luiz disse:

    Era um time mediano. Destaques, só o Valdir Perez, o Zé Carlos, Pedro Rocha e o Mirandinha em ótima fase. O Nelson que substitui o Gilberto era o Lateral-direito e atual técnico Nelsinho Baptista, que viera da Ponte e depois iria para o Santos.

  9. Régis disse:

    Vamos por parte: o Ze Carlos perdeu o penalti, mas, desculpem o termo, o verdadeiro amarelão, reza a lenda, foi o Forlan que era o maior chutador do São Paulo e não quis bater o penalti. Detalhe: no segundo jogo, na Argentina, em Avellanada, o Waldir Perez, goleiro do São Paulo, com 10 minutos de jogo, placar 0×0, tomou uma pedrada na cabeça e teve que jogar com uma bandagem na cabeça o restante do jogo. Fosse hoje, a partida poderia ser paralisada e o jogo cancelado. Ninguém fala, mas o Independiente só ganhava Libertadores dessa forma, com sua torcida jogando sujo com os adversários. Tanto que o Ajax da Holanda (de Cruijff e companhia) que era o grande campeão europeu da época, se recusou a jogar na Argentina depois de vir uma vez, em 1972, e ganhar, mas comer o "pão que diabo amassou" no estádio do Independiente (a decisão naquele tempo era um jogo em cada pais). Foi por conta da atitude da torcida argentina que os campeões europeus nos anos 70, como Ajax e Bayern, se recusavam a vir até a América do Sul para disputar a final do Mundial de Interclubes (normalmente vinham os vices ou não teve final como em 1978 e 1975) e a final passou a ser disputada no Japão a partir de 1980, com o patrocinio de uma montadora de automóveis.

  10. PAULO CAMPOS DE BRIT disse:

    O zagueiro Paranhos também se destacava nesse time pela garra com que defendia a zaga são paulina. Junto com Chicão impunha respeito a linha atacante adversária.

  11. Pedro R. Silva disse:

    Quem amarelou e não quis bater o penalty foi o Pedro Rocha, que em uns jogos antes andou perdendo penalidades para o goleiro Cejas do Santos, aquele que ficava de braços cruzados no meio do gol, depois disso o Rocha ficou sem confiança.

  12. Marcos Morais disse:

    Lembro como se fosse hoje tinha 11 anos, o 3 jogo de 1974, vomos literalmente roubados, na época, era normal , favorecerem times Argentinos e Uruguaios.

    Fiori Guiliotti, narrou o Jogo…teve penalti, a fovor SPFC, e até gol anulado, sem justificativa..

    O que facilitava, era não ter TV ao vivo…era fácil, manipular..

  13. Antonio Carlos de Carvalho disse:

    Não venham querer dizer que a Libertadores de 1974 era importante para o São Paulo. Muitos são paulinos até hoje sequer sabem desta final. Não teve repercussão alguma, e em 1975, o São Paulo foi campeão paulista e deu mais importância a esse título do que se tivesse ganho a Libertadores. A Libertadores só passou a ser importante para os clubes brasileiros a partir dos anos 90, antes disso era só mais uma competição qualquer. É so lembrar q

  14. Antonio Carlos de Carvalho disse:

    Não venham querer dizer que a Libertadores de 1974 era importante para o São Paulo. Muitos são paulinos até hoje sequer sabem desta final. Não teve repercussão alguma, e em 1975, o São Paulo foi campeão paulista e deu mais importância a esse título do que se tivesse ganho a Libertadores. O Palmeiras mesmo tinha perdido a final para o Estudiantes em 1969 (se não me engano) e muitos não sabem até hoje. A Libertadores só passou a ser importante para os clubes brasileiros a partir dos anos 90, antes disso era só mais uma competição qualquer. É so lembrar que nos anos 70, muitos clubes que venceram a Libertadores ou o título continental da Europa sequer foram disputar aquela Copa Intercontinental. Tanto que esta Copa só não morreu por que a Toyota resolveu patrociná-la, desde que fosse em um jogo único e no Japão.

  15. Márcio Vicente disse:

    Dizem que as Libertadores da década de 70 não valiam nada. Mas vendo os comentários dos torcedores do São Paulo aqui parece que valiam alguma coisa…..

    E então?

    Estas edições da Libertadores nos anos 60 e 70 valiam ou não valiam alguma coisa?

    • Luiz Campos disse:

      Valiam muito sim. Só o campeão e o vice podiam disputar a competição. Hoje virou bagunça. A Libertadores não é mais a mesma. Quando o São Paulo começou a participar, foi uma honra que poucos times alcançavam. Participar com sucesso, como foi o caso do Tricolor, levou a torcida ao delírio. Parece que não tinha importância porque nos anos 70 não havia tantos meios de comunicação cobrindo futebol. Eu tinha 14 anos e fui à final com meu pai. O Pacaembu estava completamente lotado com mais de 50 mil tricolores. Foi uma linda festa com direito a virada com gols de Pedro Rocha e Mirandinha. No nosso time tinha uma defesa muito forte, meio de campo dos melhores que já vi e um ataque veloz demais com 2 artilheiros Mirandinha e Terto. A final foi inesquecível. So diz que nos anos 60 e 70 a Libertadores não tinha importância, quem não viveu a época. Na verdade, a Libertadores de hoje, com mega cobertura da mídia, é que não tem graça, com times fraquíssimos jogando pra ninguém.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>