2 mai

Corinthians joga mal, erra muito, e perde do limitado e guerreiro Boca Juniors. Chances de classificação são boas se o time jogar bem no Pacaembu

Geral

De Vitor Birner

Boca Juniors 1×0 Corinthians 

O Corinthians jogou mal na Bombonera. Cometeu uma série de erros individuais e coletivos.

Até a proposta de jogo do time foi errada.

O campeão da Libertadores olhou para a história, estádio e torcida do Boca, mas se esqueceu de observar a realidade técnica do atual time Xeneize.

Respeitou demais um adversário limitado e previsível, mas que mostrou muita garra e inteligência para superar seus próprios limites.

Sem entrar em polêmicas de comparações dos times, o comportamento boquense lembrou o do Palmeiras na partida diante do Libertad.

O Corinthians tem grandes boas chances de conseguir a vaga nas quartas-de-final.

Se jogar o que pode e sabe, dificilmente ela escapará.

Escalações

Boca Juniors – Orión: Marín, Caruzzo, Burdisso e Clemente; Erbes (Bravo), Somoza, Erviti (Ledesma) e Sánchez Miño; e Martínez e Blandi (Magallán)

Técnico: Carlos Bianchi

Corinthians – Cássio: Alessandro, Gil, Paulo André e Fábio Santos; Ralf (Douglas) e Paulinho; Romarinho (Pato), Danilo (Jorge Henrique) e Emerson Sheik; Guerrero

Técnico: Tite

Romarinho destoou

Tite escalou o tradicional 4-2-3-1, com Romarinho, Danilo e Sheik na linha de três, Paulinho e Ralf atrás deles, Guerrero na frente, Alessandro e Fabio Santos nas laterais, Gil e Paulo André na zaga.

Em suma, repetiu o esquema tático campeão da América do Sul e do Mundo e optou pelos atletas que na visão dele mereciam iniciar o confronto.

A postura corintiana foi igual à adotada na vitória tranquila diante da Ponte Preta.

Deixou o adversário com a bola, priorizou a marcação, trabalhou acima de tudo para não tomar gol e esperou, sem ansiedade alguma, a chance de balançar a rede.

A linha de três corintiana contou com dois jogadores de velocidade pelos lados. Romarinho, na direita, e Sheik, na esquerda,  tinham como principais funções armar contra-ataques e cuidar dos laterais boquenses.

Se Marin avançasse, Sheik deveria acompanhá-lo. Caso Clemente Rodriguez fizesse o mesmo, Romarinho precisaria atrapalhá-lo.

Os dois corintianos e Danilo também necessitavam ficar atentos à movimentação dos volantes do Boca, especialmente  com a de Erviti, que gosta de aparecer de ambos os lados para ajudar nas tabelas.

Ele se aproximou de Sanchez Miño, substituto de Riquelme, do atacante Martinez, na esquerda do ataque, além de aparecer algumas poucas vezes na direita, como meia, para ajudar na criação.

Sheik, na esquerda, cumpriu os deveres defensivos, lutou bastante na frente e catimbou.

Danilo também executou direito o trabalho de marcação.

Romarinho, não fez a parte dele.

Nem serviu como opção ofensivo, nem conseguiu ajudar na proteção de Alessandro.

Raça, mística, inteligência, catimba e falta de fundamento

O subtítulo explica a apresentação do Boca Juniors.

Empurrado pela torcida na mítica Bombonera, jogou de acordo com suas possibilidades e tentou superar seus limites técnicos.

Falta qualidade técnica individual aos atletas do hexacampeão da Libertadores.

Por isso o time não venceu nos dez jogos anteriores, ocupa a décima oitava posição no campeonato nacional e perdeu duas das três partidas da primeira fase na Bombonera.

As virtudes foram suficientes para os boquenses mandarem no confronto.

Paulinho, Ralf e zaga erram mais que o normal

Além de Romarinho perdido em campo, duas situações raras no Corinthians ajudaram o Boca Juniors a atacar mais.

Paulinho e Ralf se apresentaram de maneira inferior à média deles.

Erraram passes simples e às vezes recuaram muito, ficaram próximos demais dos zagueiros e um pouco longe do rival que estava com a bola.

Outra situação atípica do Corinthians na Bombonera foi a grande quantidade de falhas na marcação dos cruzamentos.

No primeiro tempo, por exemplo, duas vezes o Boca Juniors perdeu chances muito boas  nascidas em escanteios cobrados do lado direito da defesa corintiano, que foi o que mais sofreu com o ataque do Boca Juniors exatamente por causa da fraca atuação de Romarinho.

Merecido

Dentro de seus limites técnicos, o Boca fez uma grande apresentação.

Foi premiado com o gol de Blandi, aos 14 do segundo tempo. Jorge Henrique, alguns minutos antes,  substituíra Danilo, machucado.

A troca era o bastante para suprir os problemas defensivos, pois Danilo não pecava neste aspecto, e tampouco aumentava o poder de criação no meio, onde o Corinthians não conseguia reter a bola e esfriar o adversário.

O Boca Juniors foi embalando ao longo do confronto e se fortalecendo psicologicamente.

O Corinthians viveu situação oposta.

Má leitura de jogo

Depois de sofrer o gol, o Corinthians tentou ir ao ataque e melhorou muito.

Finalmente criou chances de gol e ganhou a disputa no meio de campo.

Romarinho melhorou quando a equipe avançou, mas saiu aos 28. Pato entrou no lugar dele.

Guerrero acertou a trave.

Ficou clara uma situação.

A ideia de esperar o Boca ao invés de pressionar a saída de bola, de optar pelo contragolpe e não por atacar, foi um erro de leitura de jogo e foi um dos responsáveis pelo mau resultado.

Tite, o melhor técnico do país, um dos profissionais que mais respeito, errou na proposta.

Ledesma…

Ele substituiu Erviti. Marcou um gol em posição de impedimento, que a arbitragem corretamente invalidou, e na hora de comemorar tirou a camisa.

Levou cartão amarelo.

Logo em seguida fez um falta dura em Ralf, novamente levou o amarelo e consequentemente foi expulso.

Percebeu a besteira e pediu desculpas à hichada que lotou a Bombonera.

Abafa

Nos últimos dez minutos de jogo, contando os acréscimos, após a expulsão de Ledesma o Boca Juniors ficou muito atrás, o Corinthians pressionou, cruzou bolas na área, entretanto não conseguiu mexer no placar.

Reversível

Uma vitória corintiana no Pacaembu por dois ou três gols de vantagem é um resultado normal.

A diferença de qualidade dos times mostra isso.

Todavia o Corinthians terá que jogar futebol, coisa que não fez na Bombonera.

 

74 respostas a Corinthians joga mal, erra muito, e perde do limitado e guerreiro Boca Juniors. Chances de classificação são boas se o time jogar bem no Pacaembu

  1. MARCO ANTONIO disse:

    Lamentavel, não foi a atuação do Corinthians, lamentável, é ver comentários , totalmente desprovido de base. Ora até ontem o corinthians era o melhor time do Brasil e um dos Grandes do Mundo, agora, tem técnico retranqueiro, jogadores omissos, Paulinho e Ralf, isso ou aquilo… Os senhores esquecem que domingo passado o Corinthians fez um jogo proximo da Perfeição diante a Ponte Preta, e porque teve uma noite infeliz diante ao BOCA jogamos o Timão na boca dos Leões?
    Nada ta perdido, temos plenas condições de revertermos esse panorama em nossos dominios com o apoio da Fiel torcida. O corinthians é muito mais time que o Boca, é muito mais aguerrido que o Boca e não tenham duvidas que a postura do Timão dia 15 sera outra. Eu acredito e tenho absoluta certeza que o corinthians segue na Libertadores e deverá disputar o titulo 2013.

  2. lais disse:

    na vitoria ou na derrota serei corinthians até a morte ” CORINTHIANS NA ALMA!!!!!!

  3. lais disse:

    CORINTHIANS NUNCA TE DEIXAREI!! NA VITORIA OU NA DERROTA TE AMAREI ATÉ A MORTE!! AMO CORINTHIANS

  4. lais disse:

    SOU LOUCA”"”LOUCA POR TI CORINTHIANS!!!!! C

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>