5 jul

São Paulo foi incompetente contra o Fluminense que tentou ‘imitar’ o Palmeiras

Análise de jogos, Brasileirão

De Vitor Birner

São Paulo 0×0 Fluminense

O jogo do Morumbi foi ruim.

O time de Juan Carlos Osorio com improvisos teve iniciativa de atacar.

O Fluminense priorizou a marcação no campo de defesa e esperou as brechas para, em velocidade, tentar fazer o gol.

Ambos não merecem elogios pela qualidade na execução das propostas dos treinadores.

Os erros individuais, de fundamento, prevaleceram.

Pato, Ganso e Luis Fabiano, os mais técnicos, quase nada realizaram.  Michel Bastos ao menos colocou o colega que tem vínculo profissional com o Corinthians uma vez de frente para o Diego Cavalieri.

Os atacantes do Fluminense não deram sequências em quase todas as jogadas.

As melhores oportunidades são-paulinas aconteceram em cruzamentos, como os que fizeram a equipe perder as últimas partidas, mas na hora de finalizar de cabeça foram desperdiçadas.

Improvisações

O desmanche do elenco e as confusões da diretoria obrigaram Juan Carlos Osorio a tomar medidas que, em princípio, não pretendia.

Se preocupou com a marcação em frente à zaga e o fortalecimento da jogada aérea defensiva, que fez o time perder os dois últimos jogos, ao colocar improvisar Lucão como volante, em certos momentos, ao lado de Hudson.

Poderia escalar o último na lateral no lugar de Bruno, machucado, mas o treinador preferiu deslocar Thiago Mendes para a posição onde poderia ser ala caso houvesse a possibilidade de Lucão formar o trio de zaga (o andamento do jogo definiria a formação do 3-4-3), provavelmente porque o ex-jogador do Goiás é mais forte no apoio e tem mais força física para ir ao ataque e recompor o sistema de marcação.

Na frente deles, optou Michel Bastos e Pato, pelo lados, que se transformaram em atacantes quando possível, e Ganso centralizado na meia.  Luis Fabiano, mais adiantado, jogou como centroavante.

Enderson Moreira imita Marcelo Oliveira

No Fluminense, Enderson Moreira, porque perdeu o meia Wagner durante a semana, optou por formação que privilegiou o contra-ataque.

Outro motivo deve ter sido o jogo são-paulino diante do Palmeiras, quando o Alviverde abriu mão da posse de bola e goleou. Optou por proposta igual ao do Alviverde, mas com outro esquema tático.

Pierre, como volante centralizado e apenas com função defensiva, Jean, na direita, e Edson, do outro lado, ambos encarregados da criação quando o time tinha a bola, formaram o meio de campo.

Gerson, que poderia atuar na meia, jogou mais adiantado, como atacante, do lado oposto ao de Marcos Junior.

Um deles, de acordo com o lado que o São Paulo atacou, ou ambos, se os laterais do adversário apoiassem simultaneamente, tinham que recuar para deixar o meio de campo ao menos com o quarteto ou o quinteto que fez a ‘parede’ na frente de Wellington Silva, Gum, Antonio Carlos e Giovanni.

Fred foi o centroavante do sistema ofensivo que não fez a menor questão de trocar passes.

Pobre em oportunidades de gol

Juan Carlos Osorio pediu marcação adiantada na área do Fluminense.

Enderson Moreira orientou o time a iniciar as tentativas de retomar a bola próximo à linha que divide o gramado.

As propostas distintas pautaram o que houve do primeiro ao último minuto.

O São Paulo, com iniciativa de tentar o gol, frequentou mais ao ataque.

E o time das Laranjeiras explorou a velocidade de quem jogou pelos lados do ataque  nas lacunas que o rival deixou ao avançar.

Ambos os times não devem ter agradado seus torcedores.

O de Juan Carlos Osorio foi um pouco melhor.

No cruzamento na medida, Michel Bastos com o ‘pé ruim’, o direito, colocou a bola na cabeça de Pato, livre, na área, mas o atacante tentou finalizar no contrapé de Diego Cavalieri, tocou fraco nela, e facilitou a defesa.

Aos 25, Edson perdeu a bola para Luis Fabiano após o atacante dominá-la mal, pediu a falta, ela ficou com Ganso, que tabelou com Pato e chutou rasteiro perto do gol.

O acerto de Leandro Vuaden

Aos 34, Rafael Toloi decidiu sair de trás driblando, escorregou após iniciar o lance de maneira competente, e abriu enorme lacuna no sistema de marcação do próprio time.

Marcos Junior foi para lá, recebeu a bola de Pierre e tocou na medida para Gerson, em velocidade, no contra-ataque, ficar de frente para Rogério Ceni.

O jovem revelado nas categorias de base do Fluminense teve a oportunidade de finalizar com o pé direito, mas esperou para fazer isso com o outro, pois é canhoto, se desequilibrou e quando Reinaldo encostou nele o jogador desmoronou e pediu o pênalti inexistente.

Simples para os goleiros

Em suma, durante todo o 1° tempo, Diego Cavalieri fez uma defesa e Rogério Ceni nem isso.

Razões das trocas

Os times retornaram do intervalo com as mesmas propostas de jogo e falta de inspiração.

Juan Carlos Osorio provavelmente esperou para saber se Enderson Moreira alteraria a postura defensiva do Fluminense para fazer a primeira mexida.

Quando notou que foi mantida, trocou, aos 7,  Edson Silva por Rodrigo Caio.

O que iniciou como titular tinha recebido o amarelo aos 30 minutos (não foi expulso porque tentou tirar a perna ao abri-la para não atingir de frente o rival no carrinho estabanado, desproporcional e desnecessário), o clube das Laranjeiras investia no contra-ataque, poderia ficar mano a mano contra o zagueiro e obrigá-lo a fazer a falta que teria como consequência outro cartão e a exclusão do jogo.

Insatisfeito com o rendimento ruim do Gerson, Enderson Moreira colocou Lucas Gomes. Foi uma mexida técnica, não tática, pois o reserva exerceu papel idêntico ao do atleta que saiu.

Aos 23, Centurión entrou no lugar de Michel Bastos. Jogou no mesmo setor do gramado do titular.

O treinador optou pelo atleta que carrega a bola e dribla em detrimento ao que toca mais e chuta em gol, porque  pretendia aumentar a possibilidade de superar o bloqueio do Fluminense com lances individuais e velocidade.

Cinco minutos depois, Wesley ocupou o lugar de Hudson porque Juan Carlos Osorio queria um volante mais capaz na criação e chegada ao ataque.

Quase junto, Gustavo Scarpa, meia de origem, entrou no lugar de Giovanni para o Fluminense ganhar mais qualidade da defesa e quem sabe, se o jogo permitisse, força nas jogadas pelos lados.

São Paulo não aproveita erros

O time do Morumbi teve oportunidades de gol, quase todas em cruzamentos, a maioria nos equívocos dos rivais. Do mesmo jeito que perdeu de Palmeiras e Atlético PR, poderia ter vencido, mas não teve competência na conclusão das jogadas.

Aos 23, Hudson cruzou mal, Wellington Silva furou feio, Pato ficou com a bola e a colocou na cabeça para Ganso, livre, na área, ‘recuar’ ao goleiro do Fluminense.

Aos 27, na única troca de passes em que o São Paulo superou a marcação do rival, Centurión, na área, driblou ao invés de finalizar e perdeu.

Aos 31, Luis Fabiano, livre, na área e um pouco longe do gol, cabeceou nas mãos de Diego Cavalieri.

Aos 32, o goleiro titubeou na cobrança de escanteio e Rodrigo Caio, na pequena área, cabeceou no travessão.

Logo em seguida, Wesley, no raro contra-ataque do São Paulo, finalizou, dentro da área, em cima de Diego Cavalieri.

Higor no lugar de Marcos Junior foi a última troca feita por Enderson Moreira.

Não houve mais nenhum lance digno de destaque.

Pierre e Thiago Mendes

Nos acréscimos, após Pierre dar o carrinho forte, limpo, na bola, Thiago Mendes pisou no volante.

Leandro Vuaden considerou que não houve intenção e por isso não deu cartão. Se achasse que o lateral poderia evitar, teria que expulsá-lo.

Não questiono

O resultado foi consequência apenas do que os jogadores fizeram errado e certo em campo.

Ficha do jogo

São Paulo – Rogério Ceni; Thiago Mendes, Rafael Toloi, Edson Silva (Rodrigo Caio) e Reinaldo; Hudson (Wesley) e Lucão; Michel Bastos (Centurión), Ganso e Pato; Luis Fabiano
Técnico: Juan Carlos Osorio

Fluminense – Diego Cavalieri; Wellington Silva, Gum, Marlon e Giovanni (Gustavo Scarpa); Pierre, Edson e Jean; Gerson (Lucas Gomes), Marcos Junior (Higor Leite) e Fred
Técnico: Enderson Moreira

Árbitro: Leandro Pedro Vuaden – Auxiliares: José Javel Silveira e Rafael da Silva Alves

129 respostas a São Paulo foi incompetente contra o Fluminense que tentou ‘imitar’ o Palmeiras

  1. Augusto Cézar disse:

    Seus comentários são bons, ótima análise tática, mas tinha esquecido que és são-paulino…

    1) Empurrão nas costas na hora da finalização (adversário correndo e com um pé de apoio) não é falta?
    2) Lance do zagueiro do SPFC não era pra expulsão?
    3) Lance do Tiago Mendes não era pra expulsão?
    4) O Gustavo Scarpa entrou pq o Giovanni machucou (saiu de muleta do estádio) e não tinha o Breno Lopes no banco e nem o Wagner que quebra o galho ali… Foi pura necessidade. Tanto que no primeiro lance ele tomou o amarelo (Centurión).

    OBS: O lance de expulsão do Giovanni contra o Flamengo é que era pra vermelho… Esses dois não…

    • Filipe Sacca disse:

      o penalti reclamado não chegou a ser um empurrão, o jogador do São Paulo coloca o braço nas costas do jogador do fluminense, mas não foi esse contato que fez o jogador cair… no brasil muitos arbitros marcariam esse tipo de penalti mas não acontece a falta

      o lance do edson silva na minha opinião seria pra expulsão se no carrinho tivesse atingido o jogador com a sola, como isso não aconteceu foi um lance ríspido para amarelo, mas dependendo do critério do árbitro poderia ser vermelho tambem

  2. Guilherme disse:

    Birner, você tem ideia porque o sr. Paulo henrique ganso nao vai pro banco de reservas..atualmente ele nao esta jogando absolutamente nada!!!

  3. Diego disse:

    Com todo respeito do mundo, vc é um fenômeno, por conseguir ganhar dinheiro falando de futebol…Não sabe nada! E o que já vi de patacada sua… Mas enfim, respeito porque se chegou até onde chegou é porque tem méritos, mas na minha opinião você não sabe nada de futebol!

    Abs

  4. ruy barbosa disse:

    Eu observo o Renato Augusto que ficou sete meses sem receber, mas sempre demonstrou brio e vontade de vencer. Pato, Ganso, M Bastos e L F são ao contrário não têm mais a gana por vitórias e se a crise se aprofundar vão certamente culpar os salários em atraso e vão derrubar o Osório. Aidar é agora ou nunca mantenha o Osório e reformule.

  5. João Sardinha disse:

    A família Adams do futebol brasileiro se reuniu. Dunga declarou:”Precisamos encontrar a solução do Brasil aqui dentro”. A solução que ele identifica como sempre recai sobre jogadores como se tudo de errado fosse culpa deles. Tinha que ter alguém com um mínimo de dignidade para perguntar-lhe se ele não seria uma dessas peças a serem mudadas. É óbvio que esses repórteres puxa sacos não tem saco para isso. Dunga é uma mentira cujo grand finale se dará com a perda da olimpíada.

  6. JOSÉ GARCIA disse:

    Caro Birner,

    Incompetência é a marca do São Paulo atual, o que disseste, desculpe mas acho redundante, ou achas que foi competente contra Avai, Atlético-PR, Ponte Preta, Palmeiras… Aquele São Paulo, aquele, aquele, morreu. Quem na face da terra faz trabalho produtivo, com salários atrasados? Pensas nos teus textos. Será que seriam tãos bons como são, se ao final do mês, necas de bufunfa? C

  7. Ivan Moisés disse:

    O São Paulo virou uma bagunça tática nas mãos do colombiano.Com Milton Cruz, a coisa estava andando bem e o referido é verdade e dou fé !

  8. Ivan Moisés disse:

    Sr.Rocco-SP disse que o Palmeiras já é campeão ! Vou te cobrar lá em setembro isso,viu cartomante verde !

    • ROCCO-SP-O REI DO GADO _ Marcos Vianna disse:

      Sou louco
      não
      Prá dizer
      Campeão
      Só com
      Taça na
      mão
      Joga, vence
      raça
      Ser
      infeliz
      e tentar
      se
      iludir
      Só se
      eu
      fosse o
      Ivan
      ou Joaquim
      Para gritar
      que
      já é campeão
      só se
      seu
      for
      TATUZÃAÃÃÃÃÃÃOOOOOO

    • ROCCO-SP disse:

      Bilhetinho do REI JUAN CARLO para o TATUZÃO:
      ” PORQUE, NON TE CALAS ??”

  9. Trovão disse:

    BLÁ BLÁ BLÁ BLÁ BLÁ BLÁ são paulino totalmente cego

  10. cLAUDIO GOMES disse:

    O São Paulo deveria forma uma base jovem.
    O quer vc acha desse SP Birner?
    RENAN ,AURIO,BRENO,LUCÃO,M REIS,R CAIO,T MENDES ,BOSCHILIA,M BASTOS,PATO,CENTURION. Gostaria de ver o menino,LUIZ ARAUJO,tendo uma oportunidade.Gosto JUAN CARLOS OSORIO.

  11. Haguiar disse:

    Cara, seja honesto. Não foi penalty? Tenho certeza que se a jogada fosse para o São Paulo, você teria escrito o seguinte:
    - O árbitro marcou o penalty- Acertadamente o juiz marcou o penal, faltou expulsar o jogador do FLU,
    - O árbitro não marca a falta- Descaradamente o juiz ignorou um penalty claro no jogador do São Paulo, uma vergonha esta arbitragem.
    - Digo eu: Uma vergonha seu comentário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>