3 ago

Jogo teve baile do Flamengo até o intervalo e depois empate heroico do Santos

Análise de jogos

De Vitor Birner

Flamengo 2×2 Santos

As agremiações proporcionaram um jogo de futebol com muitas emoções aos torcedores.

Os do Santos ficaram mais satisfeitos com o resultado e os do Flamengo, creio, sentiram-se frustrados porque não ganharam.

O time de Cristovâo Borges deu um baile antes do intervalo, quando conseguiu enorme volume de jogo ofensivo, fez os gols e se impôs com sobras.

Tinha que manter a marcação na frente mas, por falta de força física,  opção tática ou ambos os motivos, recuou.

O Santos cresceu muito e sob a liderança técnica de Lucas Lima conseguiu o empate.

Nos acréscimos, *Vanderlei não permitiu que o Rubro-Negro ganhasse.

Tática

Cristovão Borges optou pelo 4-2-3-1 muito ofensivo.

Emerson Sheik na direita, Éverton do outro lado e Alan Patrick, entre eles, atuaram no trio atrás do centroavante Guerrero.

Os laterais Pará e Jorge apoiaram constantemente.

Canteros apareceu na meia e na área para tentar as assistências e os chutes em gol.

Apenas Marcio Araújo, parceiro do argentino na função de volante, e os zagueiros César e Wallace não participaram da criação.

A marcação adiantada completou a proposta de jogo.

A ideia foi retomar a bola na frente e ficar com ela no campo de ataque.

Dorival Jr improvisou o zagueiro Paulo Ricardo na função de volante junto com Renato.

Gabriel na direita, Geuvânio do outro lado e Lucas Lima, entre eles, formaram o trio na meia.

Ricardo Oliveira foi o centroavante.

Os desenhos táticos similares redundaram no jogo com raros minutos de equilíbrio entre os times.

Baile

Diante de cerca de 52 mil pagantes, o Flamengo marcou no ataque, impediu a transição de bola, ganhou o meio de campo, ditou o ritmo, e manteve a intensidade antes do intervalo do primeiro ao último minuto.

Apesar de mostrar mais força na direita com Emerson e Pará, atacou por ambos os lados e entrou na área algumas vezes.

Equívocos na hora do último passe e nas finalizações fizeram o time demorar para conseguir o gol.

O Santos tomou um vareio.

Marcou atrás, tentou fechar lacunas e investir nos contra-ataques.

Não conseguiu executar nada a contento.

Gabriel e Geuvânio tinham que ficar atentos aos avanços de Pará e Jorge, mas perderam alguns lances para eles.

Victor Ferraz* e Zé Carlos foram sobrecarregados.

Lucas Lima, devido às circunstâncias desfavoráveis, recuou e se transformou em terceiro volante.

Ricardo Oliveira ficou isolado entre Marcio Araújo e os dois zagueiros flamenguistas quando não preferiu, pela necessidade da partida, completar o sistema de marcação perto da área de Vanderlei.

A cena mais rara antes do intervalo foi o time de Vila Belmiro trocando passes à frente da linha que divide o gramado.

Mereceu

O Flamengo fez o gol cinco minutos antes do intervalo.

O chute forte de Alan Patrick, no meio e alto, apenas transformou em resultado a dinâmica de jogo muito favorável.

No lance seguinte, o Santos, porque perdia, foi à frente e proporcionou, pela primeira vez até então, brechas para o contra-ataque flamenguista.

Canteros, importante no sistema de criação – em diversos momentos partiu de trás dos meias do time dele e confundiu o sistema defensivo santista. Ficou nítido que nenhum jogador sabia quem deveria marcar o argentino – durante o jogo,  deu a assistência para Emerson Sheik tocar na saída do goleiro.

CBF contra o futebol

O veterano foi comemorar com os torcedores e, por isso, levou o amarelo.

Essa ideia de pautar a festa, impedindo reações espontâneas, diminui a felicidade por condicionar os jogadores e o público a raciocinarem automaticamente quando podem simplesmente extravasar emoções.

É a plastificação da alegria.

Não adianta criticar Anderson Daronco, pois ele acertou ao cumprir as determinações.

O critério linear é que faz o torneio ser disputado em condições iguais, inclusive se for ruim para o esporte, no que diz respeito às regras, em todos os jogos.

Mexeu

Marquinhos Gabriel ocupou o lugar de Paulo Ricardo após o intervalo.

O reserva tem mais qualidade no passe e características para ajudar o sistema ofensivo.

Mas não foi isso que fez o time crescer.

O Santos decidiu marcar na frente e o Flamengo recuou para a linha que divide o gramado.

Houve alterações nas propostas coletivas.

Outro Santos

Com muito mais posse de bola ofensiva, o Santos pode aproveitar as virtudes de seus jogadores mais talentosos e testar o inconsistente sistema defensivo do Flamengo.

Mandou no jogo até empatar.

Não apenas o goleiro

Lucas Lima cobrou o escanteio e o Ricardo Oliveira, aos 7, de cabeça, na pequena área, fez  2×1.

O centroavante se antecipou ao goleiro, que poderia intervir e demorou um segundo a mais para ir na bola.

O equívoco não foi apenas nele.

Algum jogador de linha no Flamengo deveria ter marcado o veterano especialista em fazer gols.

Não pode se mexer, na área, e ficar sozinho.

O empate aconteceu aos 28.

Lucas Lima, o melhor do Santos depois que o time começou jogar a futebol, com categoria e jeito, chutou de fora da área.

Paulo Victor tocou na bola antes de ela ir para o fundo da rede.

Era um lance defensável, mas difícil para qualquer goleiro em plena forma.

Ritmo

Ele ficou dois meses longe do time por causa do problema na fíbula.

A posição de quem joga com as mãos é a que mais exige sequência, porque isso aumenta a concentração e principalmente o reflexo.

Era mais simples para o meio de campo, que bobeou, marcar Lucas Lima no lance do empate, do que exigir do goleiro a difícil intervenção.

Eis a maior questão

Enquanto marcou na frente, o Flamengo foi superior.

Depois que recuou e investiu em contra-ataques, caiu muito de rendimento e o Santos empatou.

Antes do 2×2 ficou nítido que um time piorou muito e o outro cresceu depois que alteraram o posicionamento.

Ou o Flamengo não teve pernas para fazer a marcação na frente, ou optou pela estratégia que acabou sendo ruim.

Não tenho a resposta precisa, mas sei que isso e a mexida no sistema de criação do Santos foram os grandes responsáveis pela igualdade.

Dorival Jr satisfeito

O Santos ainda tentou, por alguns minutos, manter a iniciativa do jogo.

Mas rapidamente o seu treinador alterou os planos e decidiu recuar.

Antes de igualar, colocara Neto Berola no lugar de Gabriel e deslocara Geuvânio para a direita.

Depois, tirou o atleta revelado no clube e pôs, aos 34, Thiago Maia para reforçar a marcação no meio.

Mandou cinco jogadores fazerem a ‘parede’ em frente aos zagueiros e laterais, todos perto da área, e manteve apenas Ricardo Oliveira adiantado. Nitidamente ficou feliz com o empate e queria, apenas se possível, o contra-ataque.

Cristovão Borges havia trocado Alan Patrick por Gabriel.

O Flamengo foi para cima, mas pareceu cansado para conseguir lances de gol.

Insistiu muito nos cruzamentos e perdeu todas para os marcadores do Santos.

Eis que, do nada, arrumou força para tornar, de novo, o jogo intenso.

Vanderlei brilha

Os acréscimos foram parecidos com da partida antes do intervalo.

Gabriel colocou Éverton de frente para Vanderlei e o goleiro, rápido e preciso ao fechar o ângulo, manteve o empate.

O jogador que perdeu a grande oportunidade pediu para sair e Almir entrou.

Aos 50 minutos, Vanderlei, com o pé, não deixou o cruzamento, pela grama, de Gabriel chegar para o reserva fazer o gol na pequena área.

Lógico

Depois de tudo que houve no jogo, o empate não tinha como deixar o Flamengo feliz.

O Santos deixou o gramado com a sensação de alegria pelo ponto que conseguiu após iniciar perdendo e atuando mal.

Ficha do jogo

Flamengo – Paulo Victor; Pará, César, Wallace e Jorge; Márcio Araujo e Canteros; Everton (Almir), Alan Patrick (Gabriel) e Emerson Sheik; Guerrero
Técnico: Cristóvão Borges

Santos – Vanderlei; Victor Ferraz, Werley, Gustavo Henrique e Zeca; Paulo Ricardo (Marquinhos Gabriel) e Renato; Gabriel (Neto Berola), Lucas Lima e Geuvânio (Thiago Maia); Ricardo Oliveira
Técnico: Dorival Júnior

Árbitro: Anderson Daronco – Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho e Rodrigo F Henrique Correa

*Corrigidos

33 respostas a Jogo teve baile do Flamengo até o intervalo e depois empate heroico do Santos

  1. CBarros disse:

    O medo é o inimigo público no. 1 dos treinadores brasileiros. Ontem mais uma vez Cristovão pagou caro por suas substituições medrosas. Tirou o melhor do meio de campo que era o Alan Patrick e colocou um volante trombador. Resultado é que quase perde o jogo.
    Ficou provado também que Lucas Lima e Jeuvânio são craques melhores que Willian e outras invenções do anão e já deveriam ter tido uma chance na seleção.
    Dunga perderá as olimpíadas e finalmente cairá.

    • andre disse:

      Você viu outro jogo. Que volante trombador ele colocou no lugar do Alan Patrick? Ele colocou o Gabriel, que pra muitos é meia, mas pra mim, é atacante. Ele joga pela direita e acompanha o lateral quando não está com a bola. Se tivesse colocado o Cáceres provavelmente eles não tinham empatado. Tinha que ter povoado o meio de campo porque com a mexida do Dorival o Santos ficou com mais gente no meio.

    • Antony disse:

      O Flamengo não é time para ser “treinado” por estagiários. Outra coisa, além do comando ser incompetente, a preparação física dos jogadores é questionável. Neste jogo específico, não tiveram pernas para manter o ritmo do primeiro tempo.

  2. reino santos barrone disse:

    amigo, quem mesmo foi o goleiro do santos o VANDERLEI ou o VLADIMIR? grato

  3. Raimundo disse:

    O Daronco estava só dando faltas para o flamengo , juiz caseiro , tanto que a pressão final foi em decorrência de faltas mal marcadas.

    • Cuco disse:

      O jogo foi excelente. O juiz tentou ajudar o Flamengo, pois deu 5 MINUTOS de acréscimo e mais 1 MINUTO para ver se o Urubu fazia o gol da vitória. Ainda acho que o Santos merecia a vitória.

  4. William disse:

    O goleiro do Santos é o Vanderlei, não Vladimir. E o lateral, é Victor Ferraz. Vitor Ramos é zagueiro do Palmeiras.

    Fora isso, a análise da partida foi muito boa.

    • Marco Duarte disse:

      Ia escrever a mesma coisa Willian, parece que o Birner deixou o estagiario editar o texto, no mesmo paragrafo ele usa Vanderlei e depois escreve Vladimir

  5. Paulo disse:

    Birner só uma coisa o Dorival mandou para o campo o Thiago Maia e não Lucas Otavio.

  6. Ana Rita disse:

    Desculpe mas, o goleiro do Santos FC era o Wanderlei. Não sei se escreve assim o nome dele mas era ele, eheheheh.

  7. Thiago disse:

    Pela o amor de Deus “bina” kkkk respeite meu Santos e acerte pelo menos os nomes do jogadores que estiveram em campo, nâo era Vladimir do Gol era Vanderlei, não foi o Lucas Otavio que entrou no 2º tempo, foi o Tiago Maia!

  8. Lucas disse:

    Caramba Birner! Errou praticamente meio time do Santos nos nomes! Lucas Otávio, Wladimir nem jogaram. Victor Ramos????

  9. JC disse:

    Birner
    Li alguns comentários sobre Fla x Santos. Praticamente todos concordaram: Fla marcou por seus méritos e Santos marcou em falhas do Fla.
    Não vi assim. Fla ainda está longe de ser o time que a maior parte da sua torcida acha ter. Guerrero é bom, mas não é Fenômeno, Romário, Pelé, Zico, Rivellino ou Garrincha. Longe disso. E o Santos não se amedrontou como no primeiro tempo.

    • alex disse:

      Perfeito JC. A mídia quer de toda maneira fazer este time mediano do flamengo uma potência. Ontem na transmissão o cara chegou a dizer que os times vinham em crescimento. Nos 2 jogos anteriores, o fla foi goleado (em casa) pelo corinthians e ganhou (nao sabe como) de 1×0 do Goiás, que crescimento é este ??????

    • ROBERTO disse:

      Ontem eu consegui ver o quanto um jogador Brasileiro consegue resolver
      um partida de futebol a seu favor que estava quase perdida.
      Caros amigos torcedor Brasileiro quem esta acabando com este futebol do Brasil são estes treinadores isso começou la em 1974,com Rubens Minélli,
      Osvaldo Brandão,Enio Andrade,Coutinho,Lazaroni,Parreira,Felipão,Muricy ,
      Joél,Abél,Tite,Dunga e outros todos jogando por uma bola.
      Caros amigos o Muricy Ramalho preferiu o Gerson Magrão,Pato Rodriguez
      Miralles,Bill,Assunção,Ibson,Bernardo,Renteria e outros pelo o Geovanio.

  10. Santamaria disse:

    Torcedores do S Paulo terão notícias de seu time, aqui no blog, somente em 15/08 após provável (?) vitória no Morumbi contra o Goiás. Até lá vão ficar especialistas em Ron. Gaucho, Lucas Lima, Ricardo Oliveira, Emerson Sheik….

    • Vando disse:

      kkkkkkkkkkkkkkkkk

      Isso é fato!!

      Birner só comenta as vitorias do SPFC. Como pode um cara do gabarito do Birner, não assistir Atlético Mg x São Paulo??
      Jogo da TV, líder do campeonato contra o seu time de coração e tudo mais!!

      Não entendi também!!

  11. Alessandro Costa disse:

    Análise perfeita, só faltou acertar o nome dos jogadores do SANTOS F.C.. Eita falta de respeito….

  12. Leo Santista disse:

    O jogo foi bastante bom, intenso, sem momentos de aborrecimento, como era tão comum no futebol brasileiro até começar este campeonato pós-7×1. Sou otimista sobre estarmos tirando lições da Copa do Mundo, ao menos no futebol de clubes. Na Seleção o buraco ainda é bem profundo.

    Nessa e em outras excelentes partidas (de cabeça, recordo-me de Sport x Palmeiras; Atlético Mineiro x SPFC; Atlético Mineiro x Sport; Palmeiras x SPFC) podemos ver vários ingredientes do futebol “state-of-the-art”: ocupação de espaços, marcação alta, atacantes que apoiam verdadeiramente a marcação, utilização efetiva de todo o elenco disponível, etc.

    Sobre o jogo de ontem, lamento a postura do Santos no primeiro tempo (ou teria sido mérito exclusivo do Flamengo?) e principalmente ter tirado o pé após o empate. Ficou a sensação de que se forçasse um pouco viraria o jogo e sairia com preciosos 3 pontos do Maracanã. Muita gente ainda vai tropeçar no rubro-negro por lá.

  13. ROBERTO disse:

    Caro amigo jornalista o que vi de verdade foi uma grande festa desta maravilhosa
    torcida do Flamengo isto sim é torcer de verdade.
    Caros amigos eu acho que vi outro jogo até os 40 mt o Santos consiguiu marcar o
    Flamengo e tentando puchar um contra taque rapido que não deu certo.
    Caros amigos com duas falhas do meninos Paulo Ricardo,Zéca que vinham muito bem no jogo, foi quando saiu o gol aos 40mt do Alan Patrick e aos 42mt o gol do Emersom muto rapido.

    • Jota disse:

      O Flamengo não deu baile coisa nenhuma. Nem o Santos dominou no segundo tempo. Foram pouquíssimas chances reais de gol, para os dois lados. Maior posse de bola, sem objetividade, não significa jogar melhor.O empate foi justo. Foram dois times medrosos, cada um numa parte do jogo. É o espelho do futebol brasileiro atual. Repito: empate justo, considerando o que fizeram de produtivo no campo. E tecnicamente, sofrível.

  14. Edd Sat disse:

    Uma dica Birner, para você rir um pouco, assiste o VT do primeiro tempo da Band, pelos comentários do Neto parece que o Santos colocou o Flamengo no bolso no primeiro tempo rsrs

  15. franquinho da vila disse:

    Meu caro Birner…. é simples o Peixe aprimorou o passe, é só issso
    que falta para muiitos times do Brasileirão.. pense nisso…

  16. jota medrado disse:

    segura o peixão agora

  17. Aleeee disse:

    Boa análise. Flamengo jogou apertando a fraca defesa santista e teve êxito. Mas é muito difícil pressionar o tempo todo. No segundo tempo, Dorival meteu o Marquinhos (que será mais um ótimo jogador por sinal) e recuou o Renato. O Lucas Lima tem jogado constantemente mais recuado desde que o Dorival assumiu e o Gabriel mais centralizado, invertendo com o Ricardo Oliveira. Neste domingo, Dorival demorou para trocar o Gabriel e quando o fez acertou a cobertura pelas laterais.
    Ou seja, no duelo de técnicos, Cristovão acertou na escalação inicial e Dorival acertou na leitura do jogo.

  18. Ivan Moisés disse:

    O Santos precisa escolher seus barcos com mais atitude,não é sr.Velosão ?

    • Pai Leonardo de Caieiras. disse:

      Suncê compra mio do cumpadi bento.
      nóis faiz curau.
      eu trago canela, cum mio seu.
      Vai se bão, né?

  19. O Chato Correto disse:

    Porque os juquinianos não informam que havia mais de 60 mil espectadores no Maracanã e foi batido o recorde de público no campeonato brasileiro? Será que 9 mil pessoas não existem, a ponto de um jornalista ignorar?

  20. Vicente Alves disse:

    Saudações. Mesmo que uma criança ingresse em um treinamento em clubes, essas tem responsabilidade perante o clube, da mesma forma que teria se fosse treinar em uma academia de natação, o pagamento das mensalidades. O que surpreende é o artigo 29 da Lei 9.615/98, delimitando, de uma forma arbitrária o prazo máximo de contrato com o jovem jogador (cinco anos). Deveria ser livremente negociado , inibindo eventuais abusos previstos no Estatuto da Criança e do adolescente. Quem sai ganhando são os agentes dos atletas, desprestigiado o justo valor devido aos clubes por toda a formação do atleta. Este limite de cinco anos para um clube contratar é medida autoritária, lesiva aos clubes. O caso Neymar é um dos recentes acontecimentos que ilustra este autoritarismo previsto em lei.

  21. Henrique disse:

    Birner, minha leitura foi um pouco diferente da sua. A mudança no Santos do 1o pro 2o tempo foi do sistema, de 4-2-3-1 pra 4-1-4-1. O volante foi Renato, e Lucas Lima foi um meia ocupando a função de 2o volante, buscando a bola atrás e armando o jogo. Melhorou demais a saída de bola e facilitou a fuga da marcação. Ele passou a ir com a bola dominada pra cima dos volantes, e não com um deles fungando nas suas costas. Como, aliás, faziam os grandes meias armadores do passado. Penso, inclusive, que esse deveria ser o papel de Ganso. Ao invés de esperarem que ele seja um meia mais avançado, exigindo dele velocidade e entrada na área que ele não tem e não gosta, ele se encaixaria muito melhor nessa função que Dorival Jr. deu a Lucas Lima. Abs!

    • Vitor Birner disse:

      Houve. Mas o treinador, no intervalo, diz aos jogadores que essa transição depende do volume de jogo ofensivo. Precisa levar a bola ao campo de ataque para formar a linha com quatro jogadores na meia. Quando o Flamengo recua, facilita isso. Se não fizesse, provavelmente alguém recuaria para iniciar a tentativa de chegar lá, pois normalmente não são os zagueiros que a realiza. Claro que o treinador pode pedir algo que não acontecia, mas isso temos como confirmar apenas falando com ele ou obervando como o time atuará nos próximos jogos.

  22. Henrique disse:

    Birner, aliás, na Seleção, eu jogaria com Luiz Gustavo ou Lucas Leiva na função de volante, e uma linha de 4 meias, da direita para a esquerda, com William ou Ramires (onde mais jogam no Chelsea; William tem mais chegada e Ramires, que hoje é reserva, aumenta o poder de marcação), Oscar, Lucas Lima e Phillipe Coutinho, com Neymar mais solto à frente, movimentando-se e trocando de posições com os demais, especialmente Coutinho e Oscar. Na minha opinião, ganharíamos muito na posse de bola e todos são jogadores com boa recomposição.
    O que vc acha? Abs!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>