3 set

Cartolas deveriam ser mais diretos nas reclamações

Geral

De Vitor Birner

A quantidade de erros favoráveis ao Corinthians interfere no andamento do Brasileirão.

O Alvinegro joga futebol capaz de credenciá-lo ao título, mas os 7 pontos acima do Atlético MG são consequência também das decisões de quem deve tornar as regras do jogo iguais para todos.

Isso não significa que há complô ou qualquer tipo de artimanha premeditada para construir o campeão.

Não se acusa por causa de impressões. É necessário de algo concreto para isso.

Quem entra em campo para impor as regras do esporte deve ser respeitado, pois não se trata do personagem fictício que habita as mentes alheias.

Xingar no twitter, como fez o ex-presidente atleticano Alexandre Kalil, é algo agressivo e ineficaz.

Lamentar deixando nas entrelinhas que existe, tal qual outros dirigentes manifestaram, favorecimento ao time de Parque São Jorge, nada acrescenta.

Se eles têm alguma informação, seja sobre corrupção ou conjectura política capaz de inibir árbitros e gerar direcionamento de resultados dos jogos, o ideal é que citem.

Ressalto que a credibilidade do nosso futebol continua quase nula.

É imprescindível alterar isso.

A crença das pessoas na honestidade no esporte é fundamental tanto para quem ama o jogo quanto aos tecnocratas que o consideram apenas um grande negócio.

Relatei uma das minhas ideias de como fazer isso – não é nova porque falo faz mais de década –  no post acima.

 

Escrito por Vitor Birner às 20:34 Vitor Birner 9 Comentários

9 respostas a Cartolas deveriam ser mais diretos nas reclamações

  1. JC disse:

    Eta, Birner, tá injuriado vendo o Timão em primeiro, né meu?
    Jornalistas ditos esportivos deveriam acender uma vela e rezar pela grandeza do Corinthians todos os dias. Afinal, se não fosse ele, não teriam assunto, não teriam ibope e o leitinho das crianças iria pelo ralo.
    Alguns ficam tão desesperados que já enxergam aranhas subindo pelas paredes. Hoje, numa TV paga, um jornalista chegou a babar de raiva, ficando com baba grossa presa nos lábios.
    Esquece a idiotice que o Corinthians sempre cresce muito quando enfrenta essas campanhas idiotas.
    Afinal, Real, Barça. United e Juve já sofreram acusações de complôs. Estamos mal de companhias, caroEheh Birner? Ehehehehe.

  2. Joaquim Paulino disse:

    Birner, claro que existe um esquema. Se no Brasil são capazes de roubar uma Petrobrás, uma empresa que vale bilhões, muito mais valiosa do que qualquer clube de futebol, por que os juizes não seriam tão corruptos como os políticos, os empreiteiros e os governantes? E não é a primeira vez que o Small participa deste tipo de esquema, voce se lembra do caso 1-0-0, o esquema Ives Mendes , onde Corintians e Atlético Pr estavam envolvidos até o pescoço? Alguém vai falar” não deu em nada”., claro, o honestíssimo Ricardo teixeira como presidente da CBF colocou panos quentes. E o brasileiro de 2005? Lembra da confissão ao vivo e a cores para todo o Brasil via JN do Dualib confirmando que o título fora roubado? E o Márcio resende de Freitas, o Edilson pereira de carvalho, O Simon ( Brasiliense), o Castrilli ( Portuguesa). E o suborno do Rui Rei, em 1977. Bem , acho que neste último caso voce era criança, mas me lembro bem que meses depois de facilitar a conquista do Small Rui Rei foi jogar lá, num dos casos mais vergonhosos d ahistória do futebol brasileiro. O Mateus, antes, havia tentado subornar o Dulcídio Boschilia , que rechaçou a investida do presidente corintiano. Ou seja, eu conheço uns poucos casos, imagine de quantas tramóias e esquemas essa agremiação suja participou? Os demais clubes deveriam se retirar do campeonato em solidariedade com o Atlético MG e fundar uma Liga, sem o Small . Para apitar na Liga traríamos juizes do USA, do México, do canadá. Não é só a polític aque tem que se rpassada a limpo, o futebol também. Ninguém aguenta mais tanta corrupção, tanta lama. E tenho dito

  3. Ronaldo Stein disse:

    Depois de longo inverno, retorno para sentir se o clubismo ainda faz parte do tempero dos posts. E, claro, não me surpreendo.

    Interessante deveras que eh não me recorde de nenhum post falando sobre os campeonatos de 2007 e 2008 do SPFC, recheados de gols impedidos a favor do Tricolor.

    Naquela época, lembro que eu era um dos poucos corinthianos que dizia: o SPFC tem muito impedimento porque ataca muito. E então, pela quantidade de impedimentos, obviamente, pode ser mais ou menos prejudicado, fica mais exposto às polêmicas.

    Eu não poderia esperar muita coerência e razão dos meus companheiros de torcida, mas não encontrei na imprensa nenhum eco a este óbvio grito de racionalidade na imprensa.

    Não ví também tamanha indignação ou repercursão quando da Caldense prejudicada.

    Tampouco quando o Boca ganhou do Corinthians com vários erros de arbitragem em 2013.

    Não me recordo de muita comoção quando o Santos fez gol com três impedimentos no mesmo lance ou quando da péssima arbitragem de Santos e Corinthians no primeiro turno deste Brasileiro de 2015.

    Mas lembro bem que a Lusa fez dois gols impedidos na partida em que o Castrili “jogou para o Corinthians”, como dizem.

    Lembro também de Paulo Sergio recebendo uma voadora de Edmundo ha 1 metro de Oscar Roberto de Godoi sem que sequer falta fosse marcada, enquanto os dois zagueiros e os dois laterais do Corinthians, além do goleiro Ronaldo, tinham cartão amarelo aos 20 minutos do primeiro tempo.

    Lembro que em 2005 só se falava em partidas remarcadas a favor do Corinthians, não importando se nestas partidas o time tivesse sido prejudicado. Só lembro que o Inter só perdeu o título por causa disso e pelo pênalti de Tinga. Mas não importa as 7 partidas que deram 11 pontos ao Inter, naquele ano, em erros de arbitragem.

    Talvez a imprensa sofra de memória seletiva focada em audiência e clubismo. Talvez seja “apenas impressão” minha.

    Os erros acontecem sempre. Mais para alguns que para outros. Mais para os times que jogam com determinada característica, como o Cruzeiro ofensivo dos anos anteriores que jogava na área o tempo todo e por isso tinha vários pênaltis a favor, justos ou não. Ou o SPFC de 2007 e 2008 e seus impedimentos. Ou o Corinthians de Tite que faz linha de impedimento 78 vezes por partida.

    Mas isso não ganha clique. Tampouco agrada a torcida dos 19 rivais de campeonato.

    Tá bom, vai. Entendi!

  4. Sérgio Antunes disse:

    O problema é que os dirigentes falam grosso agora mas no começo da temporada beijam a mão dos mandatários da casa maldita do nosso futebol.

    Não tem como negar que o time que está liderando foi beneficiado claramente, acho que nem os torcedores desse time têm coragem de negar esse fato, ou a cara de pau seria grande demais.

    Mas daí à sugestão de que existe complô, algum tipo de “arrumação” e etc, existe uma distância muito grande. Como o Birner disse, se alguém sabe alguma coisa que se pronuncie e mostre as provas, sem isso vamos ficar nessa gritaria de meio de campeonato.

    Só sugiro aos torcedores do eventual líder não usarem exemplos sem antes pesquisarem pois a Juventus de Turim, como citado acima por um fanático, foi rebaixada lá na Itália por caso bem menos espalhafatoso do que esse que vemos no Brasileirão. Cuidado!

  5. Seinfeld disse:

    - Prejudiquei o jogo e a competição. Foi um erro duro, o grande erro da minha carreira. Não foi um erro aceitável. O lance não era complexo. Não era uma questão de interpretação. A comissão e a CBF estão certas e agora eu tenho de voltar para o treinamento, me aperfeiçoar. O jogo estava 1 a 0. Se o gol tivesse sido dado, poderia ser muito diferente. Foi com certeza uma coisa que influenciou no placar. Lamento pelos profissionais que prejudiquei, pelos jogadores, pela diretoria. Eu me sinto culpado – afirmou Fábio Pereira, assistente (CÚMPLICE) da arbitragem de Cor x FLU.

    O de sempre. O cara “erra”, é afastado (Oh! Que punição!), pede desculpas e tal, mas os 3 pontos continuam computados ao time “beneficiado” com o erro MUITO SUSPEITO. SEMPRE foi assim. O futebol brasileiro e seus torneios estão cada dia mais desmoralizados. A gente torce por paixão ao clube, mas de resto… Estamos no Brasileirão de 98 (aquele do Corintians + Castrili x Lusa) ou de volta á 2005 (Corintians + Simon x Internacional, ESCÂNDALO DA ARBITRAGEM e jogos refeitos)?

    E já perceberam a “coincidência” que as camisas comemorativas ou terceiro uniforme do “Sport Clube Caiu é Penalti tem as mesmas cores das camisas usadas pela arbitragem? AZUL, AMARELO, LARANJA, VERMELHO, ROXO, VINHO?

    Pelo histórico e pela estatística, até faz sentido.

  6. Santamaria disse:

    O nosso bom Birner, surpreendentemente considerando-se seu currículo, acaba de se juntar ao restante da mídia, verdadeiros profissionais do anti-corinthianismo como patrulheiros de arbitragens. A maioria desses patrulheiros fica rezando para surgir algum desses erros pois assim consegue disfarçar e esquecer de comentar sobre as campanhas ridículas dos times para os quais torcem. Esses times não conseguem vencer nem os rabeiras do campeonato e o culpado é o Corinthians.

  7. Miranda disse:

    Cabe ao jornalista sérios não dar tanta enfase as falacias dos incompetentes dirigentes.
    1 – Eles aceitam jogos as 11:00 e depois reclamam.
    2 – Os árbitros falharam desde a primeira rodada, mas falar no inicio do não dá ibope ou curtidas.
    3 – Teve um impedimento marcado no jogo Corinthians e Flu que não era, o atacante esta sozinho em direção ao gol.
    4 – O Atlético Mineiro perde vários gols (gosto do Levir),mas como ganhava o jogos e superava falhas dos árbitros e era lider estava tudo bem.
    5- Os benefícios dos erros são de todos que estão disputando vagas, não pode ser um complô para o grêmio levar o título??? São paulo tentar chegar NÃO É PARA O CORINTHIANS, sete pontos não é uma grande diferença, mas é como se o timão já estivesse com a faixa no peito.
    6- O Tite com um elenco enxuto, meninos da base, estão jogando limpo, poucas faltas, jogo limpo, DESDE o inicio ser reclamar de erros como se fosse o perseguido.
    7- Cabe aos bons jornalista saber o que é notícia e o que é insatisfação geral e mania de reclamar.
    Um beijo Birner, te acompanho, mas reflita.

  8. Nruno disse:

    Chora mais, Birner. Expulsão do Gil, Emerson (sem o Toloi) e Felipe. Empurrão do Emerson e pênalti do Uendel. Se preocupa mais em comparar o São Paulo com o Barcelona (hahahahahaha) ou cobrar o pato por gols imperdíveis. Seguindo sua lógica a expulsão do Felipe foi incorreta e poderia ter alterado o jogo. Fala muito e chora demais.

  9. Vicente Alves disse:

    Saudações. O “bolsa atleta” é um paliativo , que é parte da solução do problema estrutural da ausência de política específica para a formação do atleta no Brasil. Por um lado , na iniciação ao esporte, falta convênios com escolas e instituições de ensino, geograficamente interessantes para modalidades potenciais, para centros de treinamento a iniciação ao esporte, com técnicos, fisioterapeutas, outros, para detectar talentos e iniciar a lapidação do futuro atleta. Estes CTs deveriam ser conveniados em locais anexos a escolas e instituições de ensino . Para o alto rendimento, deveria haver claro incentivo do governo a formação de atletas de alto rendimento, tornando – a uma atividade altamente lucrativa. Além dos clubes, instituições de ensino superior podem ter seu próprio Centro de Treinamento de Alto Rendimento. A remoção da limitação estatal temporal de cinco anos para o primeiro contrato do atleta, artigo 29 caput da Lei Pele, 9.615 / 98, então permitindo o ajuste pelo mercado, incentivará os clubes e formadores de atletas de alto rendimento, a investir maciçamente na formação. A atividade, se incentivada, é altamente lucrativa. A criação de ligas independentes de clubes, é outra forma de incentivo ao alto rendimento. Direciona , de uma forma mais direta, o valor da mídia e da gestão comercial dos eventos, diretamente aos clubes. A reforma da gestão pública e privada do esporte nacional começa por onde termina: a indústria do entretenimento. Saudações. Pela política nacional de formação de atletas, (Estatuto do Atleta) prevendo, entre outros : 1. Centros de Treinamentos de Iniciação ao Esporte, em convênios com várias escolas e instituições de ensino idôneas, em localizações estratégicas, de acordo com a modalidade. A região norte do país, por exemplo , com várias áreas banhadas por rios , poderia formar vários atletas de canoagem. 2. Cadastro Nacional de Atletas, com registro em seu prontuário virtual, de resultados em competições. 3. Fiscalização externa das confederações, (licitações, eleições, execução de projetos com verbas, nepotismo, incentivo à criação de ligas esportivas, outros) por órgão específico, (Agência Nacional do Esporte). 4. Limitação a reeleição indefinida nas confederações e federações, com participação do voto dos atletas.

Deixe uma resposta para Miranda Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>